27 novembro 2009

Catadores encontram fetos em sacos plásticos em Salvador

Peritos vasculham lixão nesta sexta-feira.
Eles acreditam que fetos tinham de dois a oito meses de gestação.


Peritos vasculham, nesta sexta-feira (27), o lixão onde catadores encontraram oito fetos, perto da BR-324, em Salvador. Os fetos estavam dentro de sacos plásticos com formol e, segundo os peritos, tinha de dois a oito meses de gestação. Eles foram localizados na quinta-feira (26).

A polícia suspeita que os fetos tenham sido jogados no aterro por uma clínica clandestina de aborto.

*(Com informações do Globo Notícia e da TV Bahia)

26 novembro 2009

Cine Clube Escola vai oferecer cinema de graça na Cracolândia



******

Ai ai ai... Filme brasileiro... Na Cracolândia... Patrocinado pela COCA-cola... Isso não vai prestar!!!

23 novembro 2009

Pirâmide do Desespero

A Caixa de Maragojipe quebra, trazendo a tona a fragilidade de um jogo arriscado, o mesmo jogo que colocou o mundo na maior Crise Financeira Mundial de todos os tempos.



O termo Piramide Financeira não é novo, o antigo esquema é chamado de efeito Ponzi e se refere a Charles Ponzi , um estelionatário ítalo-americano que durante os anos 1920 prometia pagar taxas de juros extraordinariamente elevadas para quem lhe emprestasse dinheiro , e pagava essas dívidas com novos endividamentos , até quebrar ,.

Ponzi começou seu negócio na década de 1910 , alguns anos depois de emigrar para os EUA . Na ocasião, descobriu que os selos de retorno postal eram muito mais caros do que os comprados na Europa . Passou então, a comprar e revender selos do correio internacional e conseguir lucros elevados Para expandir seu negócio , passou a captar dinheiro com outros imigrantes em troca de alta rentabilidade .
Ao invés de repassar lucros vindos da diferença de preço dos selos, ele passou a creditar como lucro parte do capital vindo de novos investimentos . Sua fama cresceu , ele contratou agentes e montou um pequeno império . Passou a administrar milhões de dólares em investimentos e cerca de 17.000 investidores deixaram seu dinheiro com ele , muitos hipotecando suas próprias casas
Porém , a rentabilidade fenomenal começou a levantar suspeitas e o jornal “The Boston Post” , passou a investigá-lo , descobrindo que , para sustentar o negócio, Ponzi teria de comercializar 160 milhões de selos de retorno postal , mas apenas 27 mil selos circulavam pelo país .
A notícia fez uma multidão de investidores reclamar seu dinheiro em 1920 . Ponzi se fez de vítima , pagou a alguns e convenceu a maioria a manter suas aplicações . Contratou até um relações-públicas , James McMasters, para gerir o escândalo . Conseguiu segurar a situação por mais alguns meses até McMasters vender os detalhes da negociata ao jornal . Ponzi foi preso e sua empresa fechada e em 1934 , foi deportado à Itália .

Mais recentemente, o gestor Bernard Madoff , ex-presidente da Bolsa Nasdaq montou um suposto esquema fraudulento pela qual as perdas cujo volume conhecido chega a US$ 50 bilhões . Pelo esquema seus fundos prometiam rendimentos crescentes , da ordem de 10 a 12% ao ano , independente dos altos e baixos do mercado , mas que não existiam e eram pagos com o ingresso de novas aplicações .
O próprio Madoff avisou aos filhos de que “tudo não passava de uma grande mentira” .Madoff tinha afirmado em 2007 , “No ambiente regulatório de hoje, é virtualmente impossível violar regras” . Por causa dessa Pirâmide, o mundo enfrentou a pior Crise Mundial de todos os tempos, tirando os EUA do centro do mundo e dando espaço a novos Pólos Capitalistas.

Em Maragojipe não foi diferente, em pouco tempo uma febre tomou conta da pequena cidade do Interior da Bahia. Mais de 18 mil pessoas estavam participando de uma “pirâmide financeira” que prometia um lucro de até 200% do que foi investido. Segundo informações até o Banco do Brasil ameaçou fechar as portas, pelo grande numero de saques de poupança, tudo para ser investido na pirâmide financeira. Comerciantes também foram vitimas, pois nos últimos meses as pessoas teriam deixado de comprar para investir na “Caixa”.

Se fala em números altos,12 mil, 30 mil, 120 mil... Pessoas que estão investido desde Julho deste ano. Só que na última quinta-feira a “Caixa” quebrou. As pessoas se desesperaram e a proprietária da “Pirâmide” teve que sair da cidade escoltada por policias. O clima na cidade é tenso, a mulher prometeu voltar para devolver o dinheiro que as pessoas investiram. Lembrando que, segundo a Constituição Federal, Pirâmide Financeira é crime de estelionato, e isso pode render a proprietária um processo criminal nos autos da justiça, mesmo que digam que quem colocou dinheiro, colocou por que quis.

03 novembro 2009

TODOS ENFIADOS NA MESMA MERDA


Agora a pouco assistindo, por acidente de percurso, ao programa “jornalístico”, Na Mira, com Uziel Bueno, me surpreendi com a falta de respeito imposta por um dos seus “jornalistas” a cantora Claudia Leite. Ao fim da matéria, amadora e desprovida de qualquer cunho informativo, o apresentador Uziel disse estar indiguinado quanto ao destaque dado pelo site Ibahia.com, dizendo que a cantora deu uma “aula de ética” ao dito jornalista.

Escutei atenciosamente as colocações nada proveitosas do apresentador, que muito ofendido lançou ataques a Rede Bahia, a chamando de TV de Mauricinhos, e que eles sim, do Na Mira, tinham ética.

Fiquei surpreso de ver que exista um programa beirando o amadorismo, se deixando levar por alguém tão quanto arredio e falante, mais que ao mesmo tempo consegue ser ridículo, ganhando até o posto de bobo da corte para o também nada invejável Zé Eduardo. A Bahia precisa ser salva imediatamente, o país precisa ser salvo!

O lema é: A verdade nua e crua. Não! Eles acharam uma maneira de ganhar dinheiro através da pobreza e da miséria, da violência cada dia mais assustadora na nossa capital. Eles se camuflam no meio do povo, como sanguessugas vorazes e esperam a carnificina para espalhar o terror na hora do almoço. Isso deveria ser proibido. Não, não é censura! A Censura é a privação da verdade. È a interrupção de uma idéia que pode ser revolucionária, mais construtiva. Proibir canalhas de mostrar corpos ao meio dia seria o primeiro passo de me fazer acreditar que estamos deixando de ser uma terra de tupiniquins. Vejamos o caso da estudante de turismo que foi ovacionada com palavrões de baixo calão por entrar na faculdade com uma saia curta!

Em um país onde bundas são o nosso maior cartão postal, que a nossa maior exportação ilegal é o trafico de mulheres, onde nossas musas se tornam prontamente capa de playboys, onde a prostituição se faz presente em qualquer esquina, de bairro pobre ou de bairro classe A, onde nossas garotas de programa são filhas de empresários, deputados e capitães, e professoras viram celebridades por subir em uma palco e dançar “tudo enfiado”, criticar e atirar pedras na estudante que foi de micro saia seria algo um pouco que hipócrita demais para a realidade que vivemos. Ou então os estudantes da UNIBAN são alunos excepcionais e autistas que querem acreditar que o “créu” é uma música inventada pro bebê comer tudinho. Não amigos, algo de muito particular uni os programas sensacionalistas da TV baiana, a micro saia da estudante e a professora do Troco. É o retrato mais real de uma sociedade que não sonha; que fala demais e fala muita merda; que defende algo que não pratica e que no fundo não acredita, e que pouco contribui para deixa tudo isso um pouco mais civilizado.

Matéria do site globo.com: “Aluna volta ás aulas hoje, mas de calça!”. Ora, se querem ser hipócritas que sejamos todos, deve ter pensado ela! Estudante de turismo, bonita, celebridade instantânea que logo todos irão esquecer, e daqui a um tempo, ela se dará conta de nada de errado fez. Que aqui na Bahia existiu uma professora, mãe de uma filha de 7 anos, que muito mais banal e promiscua foi, e que ganhou bons Reais dançando algo com a calcinha toda enfiada, sendo tocada por um ser tão grotesco e depravavel como ela. È a verdadeira ética, de um país que políticos ladrões são tidos como heróis em épocas eleitoreiras, e que logo depois cada um segue seu caminho como se nada tivesse acontecido.

Só esquecemos de que, no fundo no fundo, com dinheiro e sem dinheiro, estamos todos no mesmo barco, á deriva, ainda sem saber ao certo o caminho do nada.